MENU
Velvet Nights, óleo sobre tela, 80 x 80 cm
Turquoise Dawn, óleo sobre tela, 80 x 80 cm
L’Impératrice, óleo sobre tela, 25 x 25 cm
Vanila, lápis de cor sobre papel castanho, 42 x 30 cm
White leaves, lapis de cor sobre papel castanho, 35,5 x 28 cm
Troy, lapis de cor sobre papel castanho, 25 x 25 cm

DUMA

10809
0

Duma nasceu em Lisboa, em 1973.

Vive e trabalha em Oeiras.
Licenciada em Publicidade pelo IADE (Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing).
Frequentou os cursos de Desenho e de Pintura da Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. Expõe desde 1996 e realizou até à data várias colectivas e individuais. Destacamos algumas exposições mais recentes:

EXPOSIÇOES COLECTIVAS
2009: Galeria Artpark – Linz – Áustria; Galeria O Rastro – Almancil; “Arte não se mede aos palmos” – Nuno Sacramento – Arte Contemporânea ; Aveiro; Galeria Quattro – Leiria; Galeria S. Mamede – Lisboa; Nuno Sacramento – Arte Contemporanea – Aveiro; Private Gallery – Porto

EXPOSIÇOES INDIVIDUAIS
2009: “REFLEX – Part II” – Palacio de la Serna – Ciudad Real – Espanha – Galeria Quattro e Fundaçao Henrique Leotte. 2008: “Glam” – Nuno Sacramento – Arte Contemporanea – Aveiro
“Reflex” – Galeria Quatro – Leiria. 2006: “Decifra o meu silencio” – Fundaçao Henrique Leote e Galeria Quattro – Convento de S. Paulo – Estremoz; “Frame by Frame – Part 2” – Galeria Espacio Kubiko – Madrid (Espanha); “Frame by Frame” – Galeria Quattro – Leiria
Serv’Artes – Galeria de Arte e Design – Porto

“… Há um sentido estrutural da mulher nestes quadros, também sublinhado pela técnica muito gráfica da artista, que faz com que a imagem se construa por camadas, como por patamares de cor, numa engenharia muito inteligente de como se faz surgir uma figura a partir das manchas plásticas. O resultado acaba por ser de uma modernidade assinalável, provando uma vez mais o inesgotável das possibilidades artísticas, o quanto ainda é plausível o encontro com outras fórmulas e diferentes pertinências para a representação da figuração humana.
Não é intenção reproduzir o real, porque a técnica de Duma traz ao de cima o maneirismo plástico que pode ser mais característico da ilustração, e joga isto com a ideia clara de que importa captar a mulher nesse momento de quase perfeição digno de ser admirado.
Este é um manual de feminilidade. Um itinerário por subtis modos de trazer ao de cima a mulher mais admirada. Pode ser visto como mostra breve da mulher, como se estivéssemos perante a tese feminina, discursiva, coerente, optando por certo enfoque para o que será distintivo do género, o mais distintivo, esse delicado sublinhado do corpo, tão belo quanto consciente de si mesmo. A consciência de ser mulher, está aqui em causa. A aceitação do papel da mulher, não como modo de submissão mas como exercício desse poderoso fascínio.
Esta é uma tese para se saber ser mulher, esta mulher monumento, naturalmente colocada entre tudo como a mais universal de todas as fontes de inspiração, a mais cobiçada e procurada, a mais desejada e temida, o mais persistente e inesgotável motor da arte.”Excerto do texto 'Manual de feminilidade' de Valter Hugo Mãe, sobre a pintura de Duma.